Reconstruídas 41 pontes na zona rural Itapetininga atendendo 20 mil pessoas

Recuperação



A recuperação das pontes é uma das maiores da história de Itapetininga. A gestão Simone Marquetto reconstruiu 41 pontes que beneficiaram 20 mil pessoas. Foram substituídas 15 ligações de madeira por tubos de concreto, outras 14 de madeira reconstruídas e mais 12 reformadas. Em 30 meses, a administração entregou uma ponte reformada a cada 30 dias. O serviço garante a integração dos moradores aos serviços de saúde, educação e comércio. “A cada conclusão garantimos a chegada da ambulância. Muitos pacientes fazem tratamento médico”, lembrou Simone.

Esta agilidade garantiu o atendimento de aproximadamente 40 bairros de todos os distritos rurais. As novas ligações permitem a travessia com segurança sobre os ribeirões e cursos d’água constituindo um sistema viário mais ágil e eficaz. De acordo com a prefeita, o trabalho de revitalização facilita a saída dos produtos agrícolas e a chegada de insumos e apoio de assistência técnica no campo.

“Nossa agricultura se fortalece a cada ponte recuperada”, mencionou a prefeita. Após substituir a Ponte do Ita Recreio por uma de concreto na semana passada, a equipe já se deslocou até o Gramadinho, para solucionar outra travessia antiga que apresenta problemas para o trânsito de veículos. O cronograma da Secretaria de Obras, prevê que depois será feita a manutenção numa ligação no Rio Acima. “Itapetininga conta 240 pontes de madeira, mas que foram infelizmente esquecidas”, destacou a chefe do Executivo.

Com a reestruturação, a administração garante que moradores da área urbana cheguem nestas localidades, como médicos, professores e engenheiros agrônomos. O trabalho de recuperação destas conexões é feito, em sua maioria, com os servidores públicos municipais, o que garante economia de dinheiro público. A reconstrução traz mobilidade e maior segurança aos produtores agrícolas e moradores da região.

De acordo com o secretário de Obras, Ado Albuquerque, diversas pontes de madeira são substituídas por travessias com tubos de concreto. “Isso assegura maior vida útil das instalações”, destacou o secretário. No primeiro momento, ocorre a remoção da madeira, depois é preparado o solo para a execução da fundação para o assentamento dos tubos. Em seguida, colocação de terra e compactação para instalação de tubos. Para encerrar, nova compactação do solo e cascalhamento.

Uma avaliação técnica apontou que, em grande parte dos casos, o desgaste foi causado por excesso de peso dos caminhões bitrem e treminhões que realizam a travessia sobre as pontes, possivelmente provenientes do deslocamento de mercadorias, sobretudo madeiras e rações animais. “Todos podem colaborar evitando transitar com o peso além do limite. Hoje os moradores também ajudam a preservar, com limpeza nas margens dos mananciais”, concluiu a chefe do Executivo.

Anuncio patrocinado

Patrocinado

::. Carnaval : Águia de Ouro vence o Carnaval 2020 de São Paulo
::. Agronegocio : EMPRESA NACIONAL DESENVOLVE O PRIMEIRO SEMÁFORO MÓVEL SOLAR DO PAÍS
::. Coronavirus : Infectados em Cingapura chegam a 77; país é 2º em casos da doença
::. Chuva : Chuva e caos levam Justiça de SP a suspender audiências
::. Policia : Polícia prende trio liderado por um dos criminosos mais procurados
::. Chuvas : Brasil declara estado de emergência para 47 cidades por chuvas
::. Confiança : Um terço afirma ter grande confiança em Moro, diz Datafolha
::. Bolívia : Bolívia anuncia que vai pedir troca de diplomatas espanhóis
::. Confronto : Confrontos violentos entre manifestantes e polícia na capital do Chile
::. Terremoto : Sismo de magnitude 5 atinge sul do Irão, perto da central nuclear do país

© Copyright 2019 Folha de Itapetininga - Todos os direitos reservados - Criado DM